15 de dez de 2010

Academia de Capoeira de Angola São Jorge Dois Irmãos Unidos do Mestre Caiçara

 
Face  A

1-     Capoeira de Angola (Mestre Caiçara)
2-     São Bento Grande (Mestre Caiçara)
3-     São Bento Pequeno (Mestre Caiçara)
4-    Samba de roda (Mestre Caiçara)

Face B

1-      Emburanê (Mestre Caiçara-Grácia Maria)
2-     Toque de capoeira de Angola
3-     Toque de capoeira de São Bento Pequeno
4-     Toque de capoeira de São Bento Grande
5-     Toque de capoeira de Santa Maria
6-     Toque de capoeira de samba de Angola
7-     Pisa na linha levanta o boi (Mestre Caiçara)
8-     Alô Mangueira (Mestre Caiçara-Grácia Maria)
A música é, sem dúvida, um dos fundamentos da capoeira. Ela não é apenas o fundo sonoro, de importância menor, que quebra o silêncio enquanto algo mais importante, o jogo, se desenrola. A música é parte crucial do ritual da roda de capoeira. Sem ela, o jogo da capoeira não tem como acontecer. No Brasil, duas vertentes da capoeira se tornaram muito conhecidas, e uma das duas é praticada pela quase totalidade dos capoeiras contemporâneos: a capoeira Regional e a capoeira Angola. Ambas apresentam instrumentação semelhante, embora existam diferenças nos ritmos tocados e em alguns aspectos rituais. Tanto na Regional quanto na Angola, o comando da roda de capoeira é do berimbau, indicando a importância da música. Em geral, há três berimbaus na roda: o gunga, que possui a cabaça maior; o médio, que possui a cabaça com tamanho intermediário; e o violinha, que possui a cabaça pequena. Obviamente, quanto maior a cabaça, mais grave é o som do instrumento. Cada berimbau desempenha uma função diferente na roda: o gunga, comandante da roda, faz a levada do ritmo sem variações; o médio acrescenta algumas viradas; o viola costuma permanecer sempre fazendo viradas e floreios. O início da roda se dá pelo toque do gunga, seguido pelo médio; depois, o viola; somente após os berimbaus estarem tocando, é que os demais instrumentos atuam: atabaque, pandeiro, agogô, reco-reco, palmas e canto. O andamento e os toques do berimbau definem o jogo da capoeira. As cantigas, em geral, tratam de temas ligados à própria capoeira. Há vários tipos de cantigas, cantadas de acordo com a ocasião, com o tipo de jogo. Elas são uma importante ferramenta da memória da capoeira, porque evocam os grandes mestres e seus feitos, e trazem o sentimento e as percepções dos capoeiristas do passado sobre a capoeira, a situação em que viviam, seus problemas, suas alegrias. Além disso, é comum que os capoeiristas elaborem suas músicas, que podem ser eternizadas pela repetição, nas rodas de capoeira, ou por gravações de discos. Este último recurso, contemporaneamente, vem sendo muito utilizado. Mas, até poucas décadas atrás, os registros das músicas da capoeira, conforme ocorrem nas rodas, não era algo tão comum. Daí o valor desse disco postado hoje. Gravado em 1973, traz um grande mestre da capoeira Angola, conhecido por Mestre Caiçara, cantando as músicas de capoeira do modo como são executadas no ritual. Além disso, o disco, didaticamente, apresenta os principais toques de berimbau associados à capoeira de Angola. O Mestre Caiçara, cujo nome era Antônio Conceição Moraes, nasceu em Cachoeira do São Félix, em 1924. Foi aluno de Mestre Aberrê. Frequentava a zona boêmia de Salvador, e era conhecido das figuras noturnas do Pelourinho. Segundo ele, começou a prática da capoeira aos 14 anos. Ele era bom cantador, e talvez isso o tenha motivado a gravar o disco. Faleceu em 1997, deixando um importante legado para a capoeira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguardo seu comentário ou opinião.