30 de out de 2011

Bezerra Da Silva - Eu Não Sou Santo - 1990

01 - Quando O Morcego Doar Sangue
02 - O Preto E O Branco
03 - Mudo Caguete
04 - Vovô Tira-Tira
05 - Boca de Radar
06 - Eu Não Sou Santo
07 - Se Não Avisar, O Bicho Pega
08 - Passa O Rodo Nele
09 - Divino Mestre
10 - O Filho de Jurema
11 - Cachorrinho de Polícia
12 - O Poeta Operário

Alcione - Emoções Reais 1990

01 Beija-Flor
02 Quando a saudade bater
03 Dona Zica e Dona Neuma
04 Duas faces
05 Roxo, alma brilhante
06 Poeira da idade
07 São Jorge
08 Melhores momentos
09 Aniceto, O partido mais alto
10 A outra
11 Divina malícia
12 Quem diria
13 De teresina a São Luís
14 Velha Chica

13 de out de 2011

João da Baiana em 78 rpm


 1 - D. Clara (Não te quero mais) (João da Baiana - Donga) - Samba
(1927) ODEON 10.084-a
Intérprete: Patrício Teixeira

2 - Cabide de molambo (João da Baiana) - Samba
(1932) ODEON 10.883-a
Intérprete: Patrício Teixeira

3 - Ai Zezé (João da Bahiana - Patrício Teixeira) - Samba
(1932) ODEON 10.883-a
Intérprete: Patrício Teixeira

4 - Já andei (Pixinguinha - João da Baiana - Donga) - Samba
(1932) VICTOR 33.509-a
Intérprete: Zaíra de Oliveira

5 - Que querê (Pixinguinha - João da Baiana - Donga) - Samba
(1932) VICTOR 33.509-a
Intérprete: Zaíra de Oliveira

6 - Perdi minha mascote (João da Baiana) - Samba
(1933) VICTOR 33.733-a
Intérprete: Carmen Miranda e Patrício Teixeira

7 -Quem faz a Deus paga ao diabo (João da Baiana) - Samba
(1933) COLUMBIA 22.173-b
Intérprete: Patrício Teixeira

8 - Deixa amanhecer (Bide - João da Baiana) - Samba
(1935) ODEON 11.282-a
Intérprete: Almirante

9 - É melhor confessar do que mentir (João da Baiana) - Samba
(1938) VICTOR 34.283-a
Intérprete: Odete Amaral

10 - Sereia (João da Baiana - Getúlio Marinho "Amor") - Macumba
(1938) VICTOR 34.313-A
Intérprete: João da Baiana e Seu Conjunto

11 - Folha por folha (João da Baiana - Getúlio Marinho "Amor") - Macumba
(1938) VICTOR 34.313-A
Intérprete: João da Baiana e Seu Conjunto

12 - Pra que tanto orgulho (João da Baiana - Kid Pepe) - Samba
(1939) VICTOR 34.518-a
Intérprete: Aracy de Almeida

13 - Sorris de mim (Babaú - João da Baiana) - Samba
(1940) Victor 34.657-a
Intérprete: Odete Amaral

14 - Mariposa (Wilson Batista - João da Baiana) - Marcha
(1940) VICTOR 34.682-a
Intérprete: Carlos Galhardo

15 - Nicolau (João da Baiana - Ari Monteiro) - Samba
(1942) ODEON 12.107-a
Intérprete: Moreira da Silva

16 - Ogum Nilê (João da Baiana) - Macumba
(1950) ODEON 13.033-a
Intérpretes: Trigêmeos Vocalistas

17 -Lamento de Inhaçã (João da Baiana) - Macumba
(1952) ODEON 13.330-a
Intérprete: João da Baiana

18 -Lamento de Xangô (João da Baiana) - Macumba
(1952) ODEON 13.330-a
Intérprete: João da Baiana

19 - Vovó Joana do Aguiné (João da Baiana) - Corima
(1956) SINTER 496-a
Intérprete: João da Baiana

20 - Vai I Aô (João da Baiana) - Corima
(1956) SINTER 496-a
Intérprete: João da Baiana

21 - Quê quê rê quê quê (João da Baiana) - Corima
(1956) ODEON 13.999-a
Intérprete: João da Baiana

22 - Saudação a Iemanjá (João da Baiana) - Corima
(1956) ODEON 13.999-a
Intérprete: João da Baiana

23 - Ogum Nilê (João da Baiana) - Corima
(1957) SINTER 548-a
Intérprete: João da Baiana

24 - Homenagem a Oxalá (João da Baiana) - Corima
(1957) SINTER 548-a
Intérprete: João da Baiana

3 de out de 2011

O duelo musical entre Noel Rosa e Wilson Batista



POLÊMICA - NOEL ROSA/WILSON BATISTA

01. Lenço no pescoço
02. Rapaz folgado
03. Mocinho da Vila
04. Palpite infeliz
05. Feitiço da Vila
06. Conversa fiada
07. João Ninguém
08. Frankenstein
09. Eu vou pra Vila
10. Terra de cego
11. Vitória
12. Meu mundo é hoje

* Roberto Paiva canta as canções de Wilson Batista e Francisco Egydio de Noel Rosa.

* Desenho da capa feito pelo caricaturista, jornalista e compositor Antonio Nássara.

Tudo começou quando em 1933, Wilson Batista lançou a musica “Lenço no Pescoço”, onde proclamava seu orgulho em ser vadio e associava a imagem do sambista à malandragem.

Lenço no Pescoço
Wilson Batista
Meu chapéu do lado
Tamanco arrastando
Lenço no pescoço
Navalha no bolso
Eu passo gingando
Provoco e desafio
Eu tenho orgulho
Em ser tão vadio

Sei que eles falam
Deste meu proceder
Eu vejo quem trabalha
Andar no miserê
Eu sou vadio
Porque tive inclinação
Eu me lembro, era criança
Tirava samba-canção
Comigo não
Eu quero ver quem tem razão

E eles tocam
E você canta
E eu não dou

Noel Rosa se sentiu incomodado com a associação e mandou logo uma resposta bem direta, compondo “Rapaz Folgado”. Na letra, Noel não deixa margem sobre suas intenções...

Rapaz Folgado
Noel Rosa
Deixa de arrastar o teu tamanco
Pois tamanco nunca foi sandália
E tira do pescoço o lenço branco
Compra sapato e gravata
Joga fora esta navalha que te atrapalha

Com chapéu do lado deste rata
Da polícia quero que escapes
Fazendo um samba-canção
Já te dei papel e lápis
Arranja um amor e um violão

Malandro é palavra derrotista
Que só serve pra tirar
Todo o valor do sambista
Proponho ao povo civilizado
Não te chamar de malandro
E sim de rapaz folgado

Wilson Batista sentiu-se ofendido pelo golpe inesperado e reagiu com o samba “Mocinho da Vila”. “Se não quiser perder/Cuide do seu microfone e deixe/Quem é malandro em paz...”

Mocinho da Vila
Wilson Batista
Você que é mocinho da Vila
Fala muito em violão, barracão e outros fricotes mais
Se não quiser perder
Cuide do seu microfone e deixe
Quem é malandro em paz
Injusto é seu comentário
Falar de malandro quem é otário
Mas malandro não se faz
Eu de lenço no pescoço desacato e também tenho o meu cartaz

A elegante resposta veio com “Feitiço da Vila”, parceria com o pianista Vadico.

Feitiço da Vila
Noel Rosa
Quem nasce lá na Vila
Nem sequer vacila
Ao abraçar o samba
Que faz dançar os galhos,
Do arvoredo e faz a lua,
Nascer mais cedo.

Lá, em Vila Isabel,
Quem é bacharel
Não tem medo de bamba.
São Paulo dá café,
Minas dá leite,
E a Vila Isabel dá samba.

A vila tem um feitiço sem farofa
Sem vela e sem vintém
Que nos faz bem
Tendo nome de princesa
Transformou o samba
Num feitiço descente
Que prende a gente

O sol da Vila é triste
Samba não assiste
Porque a gente implora:
"Sol, pelo amor de Deus,
não vem agora
que as morenas
vão logo embora

Eu sei tudo o que faço
sei por onde passo
paixao nao me aniquila
Mas, tenho que dizer,
modéstia à parte,
meus senhores,
Eu sou da Vila!

Wilson Batista achou que o canto de amor á Vila Isabel era uma fuga da briga e satisfeito com a notoriedade alcançada pela mesma, voltou ao ataque com “Conversa Fiada”

Conversa fiada
Wilson Batista

É conversa fiada dizerem que o samba na Vila tem feitiço
Eu fui ver para crer e não vi nada disso
A Vila é tranqüila porém eu vos digo: cuidado!
Antes de irem dormir dêm duas voltas no cadeado
Eu fui à Vila ver o arvoredo se mexer e conhecer o berço dos folgados
A lua essa noite demorou tanto
Assassinaram o samba
Veio daí o meu pranto

Mexer com a Vila Isabel de Noel Rosa foi o erro fatal de Wilson Batista e motivo de glória para o cancioneiro nacional.
Isso proporcionou a composição de uma das maiores obras-primas do nosso samba: “Palpite Infeliz”.
O adversário de Noel é claramente desacreditado pela pergunta: “Quem é você, que não sabe o que diz?”

Palpite Infeliz
Noel Rosa
Quem é você que não sabe o que diz?
Meu Deus do Céu, que palpite infeliz!
Salve Estácio, Salgueiro, Mangueira,
Oswaldo Cruz e Matriz
Que sempre souberam muito bem
Que a Vila Não quer abafar ninguém,
Só quer mostrar que faz samba também

Fazer poema lá na Vila é um brinquedo
Ao som do samba dança até o arvoredo
Eu já chamei você pra ver
Você não viu porque não quis
Quem é você que não sabe o que diz?

A Vila é uma cidade independente
Que tira samba mas não quer tirar patente
Pra que ligar a quem não sabe
Aonde tem o seu nariz?
Quem é você que não sabe o que diz?
Não entendendo a elegância de Noel, neste momento o compositor Wilson Batista perde a linha e parte de vez para o ataque com a canção “Frankenstein da Vila”, que não chegou nem perto de desbancar o poeta maior de Vila Isabel.

Frankenstein da Vila
Wilson Batista
Boa impressão nunca se tem
Quando se encontra um certo alguém
Que até parece um Frankenstein
Mas como diz o rifão: por uma cara feia perde-se um bom coração
Entre os feios és o primeiro da fila
Todos reconhecem lá na Vila
Essa indireta é contigo
E depois não vá dizer
Que eu não sei o que digo
Sou teu amigo

Apesar da violência da resposta, o próprio Wilson Batista se confessou arrependido, anos mais tarde, por ter se aproveitado do complexo de feiúra de Noel Rosa.
A disputa ainda rendeu algumas replicas:

João Ninguém
Noel Rosa
João Ninguém
Que não é velho nem moço
Come bastante no almoço
Pra se esquecer do jantar...
Num vão de escada
Fez a sua moradia
Sem pensar na gritaria
Que vem do primeiro andar

João Ninguém
Não trabalha e é dos tais
Mas joga sem ter vintém
E fuma Liberty Ovais
Esse João nunca se expôs ao perigo
Nunca teve um inimigo
Nunca teve opinião

João Ninguém
Não tem ideal na vida
Além de casa e comida
Tem seus amores também
E muita gente que ostenta luxo e vaidade
Não goza a felicidade
Que goza João Ninguém!

João Ninguém não trabalha um só minuto
E vive sem ter vintém
E anda a fumar charuto
Esse João nunca se expôs ao perigo
Nunca teve um inimigo
Nunca teve opinião

Wilson por sua vez lançou “Terra de Cego”. 

Terra de Cego
Wilson Batista
Perde a mania de bamba
Todos sabem qual é
O teu diploma no samba.
És o abafa da Vila, eu bem sei,
Mas na terra de cego
Quem tem um olho é rei.
Pra não terminar a discussão
Não deves apelar
Para um barulho na mão.
Em versos podes bem desabafar
Pois não fica bonito
Um bacharel brigar.

A contenda já dava mostras de não possuir mais a mesma intensidade de antes, os dois compositores já estavam virando mesmo amigos.
Pouco tempo depois, em 1937, morreu o jovem Noel Rosa, aos 26 anos, mas antes compôs junto com o antigo rival.
Quem saiu ganhando neste duelo foi a Música Popular Brasileira.

Vitória
Nonô, Noel Rosa
Antes da vitória,
não se deve cantar glória
Você criou fama,
deitou-se na cama...
Eu que não estou dormindo
Vou subindo, vou subindo
enquanto você vai decaindo.
Antes da vitória,
não se deve cantar glória
Você criou fama,
deitou-se na cama...
Eu que não estou dormindo
Vou subindo, vou subindo
enquanto você vai decaindo.
Quero a minha independência,
E com jeito e paciência,
me preparo pro futuro.
Não garanto, nem duvido
Mas você tome sentido que entre nós o páreo é duro.
Agüentei muita indireta,
Mas andei na linha reta,
não maldigo a minha sorte.
Vou agindo com cadencia,
Sei que a minha independência há de ser a sua morte.
Antes da vitória,
não se deve cantar glória
Você criou fama,
deitou-se na cama...
Eu que não estou dormindo
Vou subindo, vou subindo
enquanto você vai decaindo.
Antes da vitória,
não se deve cantar glória
Você criou fama,
deitou-se na cama...
Eu que não estou dormindo
Vou subindo, vou subindo
enquanto você vai decaindo.
Sua voz, se alguém percebe,
Bem humilde lhe recebe
sua entrada ninguém ferra.
Você goza de ventura,
Mas quem voa em grande altura
Leva sempre grande queda.
Não tenho medo de grito
Sempre fiz papel bonito, o que eu falo é bem pensado.
Não aceito escaramuça
E que aceite a carapuça quem se sentir nele ingrato.

Eu Vou Pra Vila
Noel Rosa
Não tenho medo de bamba
Na roda de samba
Eu sou bacharel
(Sou bacharel)
Andando pela batucada
Onde eu vi gente levada
Foi lá em Vila Isabel...

Na Pavuna tem turuna
Na Gamboa gente boa
Eu vou pra Vila
Aonde o samba é da coroa.
Já saí de Piedade
Já mudei de Cascadura
Eu vou pra Vila
Pois quem é bom não se mistura

Quando eu me formei no samba
Recebi uma medalha
Eu vou pra Vila
Pro samba do chapéu de palha.
A polícia em toda a zona
Proibiu a batucada
Eu vou pra Vila
Onde a polícia é camarada.

Meu Mundo É Hoje
Wilson Batista
Eu sou assim
Quem quiser gostar de mim eu sou assim
Eu sou assim
Quem quiser gostar de mim eu sou assim

Meu mundo é hoje
Não existe amanhã pra mim
E sou assim
Assim morrerei um dia
Não levarei arrependimentos
Nem o peso da hipocrisia

Eu sou assim...

Meu mundo é hoje...

Tenho pena daqueles
Que se agacham até o chão
Enganando a si mesmos
Com dinheiro, posição
Nunca tomei parte
Desse enorme batalhão
Pois sei que além de flores
Nada mais vai no caixão